|

30 de out de 2007


Blogagem Coletiva idealizada pelo Lino Resende sobre a Paz na Terra

Paz na Terra


A paz é incerta como a morte, mas pode ser certa como a vida que sonhamos desde pequeno. Ela pode ser inacreditável quando vemos algo que parecia impossível acontecer, como um fim de uma guerra, que se criou num dia qualquer por um motivo fútil. É exatamente assim que acreditamos ser a paz: fútil. Cremos que ela virá depois dos terremotos, das enchentes, dos tiros de canhão, ou mesmo depois que o último homem levantar a bandeira branca, se rendendo, mas sendo o alvo de um que não quer cessar fogo.

Ela é fútil. Deixamos gente passar fome. Ela é o máximo, quando alguém de bom coração doa um órgão ainda em vida, para que a paz reine em família. O egoísmo, a intolerância, a ganância, a discriminação, são imprescindíveis todos os dias. Uns usam desses males para viver. Atropelam a paz e não param para socorrer. Para quê socorrer a paz, alguém já está de olho nela. Alguém impaciente pelo poder do tempo. Alguém que quer ser dono e senhor do seu tempo. E tempo é dinheiro.

O dinheiro, mola mestra do mundo, senhor das guerras, dono da paz, constrói vidas, destrói o homem. O dinheiro destrói florestas, rios, mares. Mares de dinheiro compram a paz onde quer que seja. Num campo de futebol, num campo de refugiados.
A paz produz dinheiro, que produz comida, matam fome e sede. Homens sobrevivem, cidades crescem, industrializam-se, fabricam remédios, de onde surgem as curas e incentivam novas descobertas. Descobrimentos que se transformam em guerra pelo poder. Poder que é fútil.

O dinheiro é fútil, como a paz, como o poder. O dinheiro, poder e paz são necessários. Dinheiro e poder constroem e destroem a paz. Tudo o que a paz quer é poder e dinheiro para se espalhar pelo mundo. Tudo o que o poder quer é dinheiro para espalhar a paz pelo mundo. Tudo o que o dinheiro quer é poder para espalhar a paz pelo mundo. Todos querem ser úteis, não fúteis.

O caminho é longo, mas todos nós caminhamos pela paz.

No Gramophone : ´´A Paz`` - Zizi Possi


Escrito por Sergio Nasto,
às 20:57


21 de out de 2007


Tecido


Não digo o que preciso

Você sabe convidar

A um amor

E até fazer o que quero


Não preciso convidar

Para pedir e despir

Um segredo

O que faço não preciso dizer


Sequer com botões comento

Sequer com os meus botões ando

Sequer com os seus botões vejo


O vestido é seu

E cobre o tecido que desejo

Quero apenas te ver sem

Ver o que você tem

Sem tirá-lo

Como está combinado


Nada tato

Nada pra mim


No Gramophone: 'Jorge Vercilo' - 'Um segredo e um amor'


Escrito por Sergio Nasto,
às 06:36


11 de out de 2007


Silêncio


Crie a palavra
No canto ao meu filho
Ele será seu
Adote-o
Ele é sorte
Sara um corte
Com um sorriso
Crie meu filho
Com a palavra do canto
Ele é meu silêncio
Mas um dia será nosso
Acorde de um sonho
Aqueça uma criança
Salve um mundo
Um elo perdido


Gramophone: "Cuide-se Bem" - "Guilherme Arantes"



Escrito por Sergio Nasto,
às 13:25


6 de out de 2007


A Quem não encontrou

Percebemos depois de longa data, ou segundos, que já encontramos com aquela pessoa. Então, pensamos se existe outro mundo. Se falarmos em dimensões é correto, ou outra vida, é melhor que esta. O livre-arbítrio faz com que erremos num certo ponto do caminho, pessoas que parecem boas, nos enganam. Podemos aprender ou continuar errando, e com quem conhecemos. Desviamos outros caminhos, também.

Será que só o que é bom passa de vida pra vida após a morte? E muda para o mal, depois. Se há após, houve um antes. Morte e vida deixam aqui o que sempre desejamos encontrar depois? Como entender algum sinal? Um mal pode ser um sinal. Acidentes, mortes, não acontecem por acaso. É necessário que alguém viva anos por um fio pra que quem esteja ao seu lado perceba o que tem de mudar. A morte muda o que a vida não conseguiu.

Numa hora se diz: "Poderia ter acontecido em outra vida". Mas, de que vida se fala? Será que é aquela que existe no ato de um sorriso inevitável? É bom quando isso passa a fazer parte do nosso dia-a-dia, como um filho adotivo, um amigo, um amor, algo muito especial. A vida mostra uma visão errada do que chamamos de morte. Sempre queremos continuar o que de bom começamos. Sendo assim é porque temos esperança. E ter esperança é viver sempre.

Certa vez alguém me disse ser uma visão de nossos próprios antepassados. Que tem a ver com nossa árvore genealógica. Pode ser. O mistério que cerca nossa vida é que nos leva à frente. A fé do bem cura o mal. Queremos sempre mais e saber respostas pra todas as perguntas. Queremos fé, temos fé. Queremos curas, temos cura. Ter fé na vida cura a morte.

No Gramophone: "Zeca Baleiro" - "Alma Nova"


Escrito por Sergio Nasto,
às 12:10


| Sites e blogs favoritos |
Jady|Cintia|Cecilia|Guga Flaquer|Rackel|J. Neto|Euza|Carol|Bandeiras| Babi Soler|Natalia|Morcego|Drica|Claudia| Teti| Sidnei|Sieger | Lulu | Beti Timm|Ju|Katia|Eliana|Advi|Mirella|Raquel|Talita | Gisele|Luciana|Van |Juliana|Menina |Luana|Micha | Meninas/a>|Sonia | Dácio Jaegger| Monica Montone | Ana | Alê|Josi|Liz|Marcos | |Giovana Manzoli |Grace|Mario|DO| Be| Pepê|Katia| Mirza|MaithII|Luma|Janaina|Lia|Rosa|Cris Penaforte| Lino| Saramar|Mani|Ana Pontes| Raquel Moniz|Meire| Cilene|Sandra Turner|Fernanda|Hiran|Dalva|Mary|LilianePaula| Edgar|Magui|Sammyra|Mere|Tina Harris|Tina|Monica Cabral||Bel| Laura|Veronica|Elvira|Alice|Fabiola|Maith|Kall|Keila|Cejunior| Patty|Elisabete|F.|Marconi| Daniele|Barbara|Loba|Euza|Di|Fred|Vivi|Lili|Vera|Georgia| Elis|Paulo|PauloII|
| Arquivos |
02.2005 03.2005 04.2005 05.2005 06.2005 07.2005 08.2005 09.2005 10.2005 11.2005 12.2005 01.2006 02.2006 03.2006 04.2006 05.2006 06.2006 07.2006 08.2006 09.2006 10.2006 11.2006 12.2006 01.2007 02.2007 03.2007 04.2007 05.2007 06.2007 07.2007 08.2007 09.2007 10.2007 11.2007 12.2007 01.2008 02.2008 03.2008 04.2008 05.2008 07.2008 10.2008 11.2008 12.2008 01.2009 04.2009 06.2009 07.2009 08.2009 09.2009 11.2009 12.2009 02.2010 04.2010 05.2010 06.2010 07.2010 11.2010 12.2010 04.2011 08.2011


| Créditos |
Blogspot | Getty Images | Haloscan | Inversa


<body> <BGSOUND SRC="musicas.mid" LOOP="INFINITE">